Por ANA PAULA DO REGO

“Em nome do pai, do filho, do espírito santo, amém”

Terminado o terço, pessoas que ainda não se viram se cumprimentam com abraços, o coordenador do grupo de oração, chamado Isaac, começa, iniciando uma canção em sua guitarra:

– Boa Noite, a paz de Jesus, está um friozinho né?

Começam a cantar para o Espírito Santo, Reinaldo gesticula ao som da música, bate palma, dança, assim como os outros, esse é o modo dos carismáticos louvarem, quem não está acostumado com esse tipo de celebração se sente deslocado, e nessas horas os braços e as mãos sobram no corpo.

Clamam a presença de Deus:

– Jesus está aqui, sinto em meu coração que muitas pessoas precisam de um toque de Deus, Deus nos atraiu – diz com uma voz suave, Isaac, que de olhos fechados parece em transe.

Todos os outros, olhos fechados também, fazem suas orações em voz alta, e apesar de serem poucas, cerca de 20 pessoas, elas se tornam uma multidão de vozes fortes, desconexas que nessa hora só esperam sentir a presença do Senhor.

“Seu” Reinaldo, como é chamado por alguns, já foi curado pelo Espírito Santo em um momento como esse de louvor, de um problema que tinha no nervo ciático que o perseguia desde jovem.

– Eu tinha umas dores no nervo ciático, que me imobilizavam, eu não conseguia andar, já tinha tomado várias injeções e nada, ia trabalhar me arrastando, por que tinha meus filhos pequenos e não podia faltar. Teve uma vez que eu cheguei em casa desse jeito, era dia do culto, eu jantei e falei para a minha esposa que ia na igrejinha, ela disse ‘Cê tá louco Rê, você não consegue andar’, ela não foi, mas eu fui, a igrejinha é aqui perto nem 1 minuto a pé, eu demorei uns 10 pra chegar lá, me arrastando. Quando veio o momento do louvor, eu disse “Eu vim aqui, Senhor, e vou sair curado, eu estou aqui na presença de ti e vou sair curado”, daqui a pouco subiu um calor nas minhas pernas e quando eu percebi já estava dançando, pulando, e desde esse dia nunca mais fiquei daquele jeito, faz tempo, a minha esposa ainda era viva.

– Deixa Deus te construir do jeito que ele quer, deixa Ele mudar nosso coração – o coordenador prossegue o clamor.

Sentados agora, olhos fechados ainda, os fiéis ouvem a voz suave, a voz de Isaac que diz coisas doces, palavras que tocam no coração, ele adivinha, ele, através de um dos carismas, sabe o que se passa ali, a emoção toma conta de todos, a senhora sentada na primeira fileira e que pela primeira vez estava nesse grupo, enxuga as lágrimas discretamente, outra na terceira fileira, tira os seus óculos para secar algum sofrimento que naquela hora foi aliviado pela fé, é impossível controlar a emoção, o arrepio, que por diversas vezes é sentido, aquelas pessoas estão ali, entregues, estão envoltas por uma força descomunal que irradia paz, tranqüilidade.

– Jesus está aqui nesse momento – Isaac sente.

Pequenos grupos de quatro pessoas se formam e uns oram pelos outros, a emoção não para, o arrepio prossegue, inexplicavelmente algumas pessoas começam a desenvolver a oração em línguas que é um dos carismas mais misteriosos da renovação, pois no fervor, no entusiasmo dizem palavras estranhas, enrolam a língua e cantam nesse idioma desconhecido. Esse dom surgiu quando Jesus ascendeu aos céus deixando seus discípulos e apóstolos perdidos sem ele, banhados pela ação do Espírito Santo, começaram a orar em uma língua estranha, mas mesmo enrolando a língua eles se entendiam. Reinaldo não fala esse idioma.

– O Espírito Santo não é brincadeira. São poucas as pessoas que conseguem repousar e orar em línguas, muitas delas forçam, pensam que só porque uns estão orando desse jeito podem fazer igual e imita, o mesmo ocorre com o repouso no Espírito Santo, pessoas que estão em volta querem que você caia e ficam atrás empurrando.
Ele se refere a outro carisma da renovação, o repouso do Espírito Santo que é quando as pessoas começam a rezar a sua volta, e você começa a se sentir leve e com sono, envolvido pelas orações acaba adormecendo.

– Com dois ou três meses de renovação, logo veio um convite para participar de um retiro, aí nos fomos lá, a gente nem sabia o que era, fomos no sábado de manhã e quando foi à tarde eu tive essa experiência, as pessoas oravam, oravam, cada grupo formou um circulo, aí a pessoa que estava…Eu, minha esposa e mais duas pessoas nos abraçamos em forma de um circulo, e aí começaram a orar, ’Eu oro por você’, depois chegou um momento que a pessoa adormece, aí eu caí, tem gente em volta, as pessoas mais experientes já ficam em volta desse círculo esperando alguém cair para eles segurarem e repousar no Espírito. Você sente uma leveza, uma coisa assim, você adormece, a mesma coisa que você vê televisão chega uma hora que você adormece, a oração é aquele momento de paz, você adormece, você percebe que caiu, mas seu corpo está tão leve, então, fica dormindo uns 10 minutos, parece que o espírito sai do corpo. Quando acorda, parece que é um descarrego, tira toda aquela preocupação, parece que passa uma vassoura. – diz Reinaldo.

Na próxima publicação – terceira e última parte -, mais descrições e o desfecho dessa história de fé.

Veja também a primeira parte dessa história aqui.

Advertisements